Projeto "Consciência Negra" em Lagoa do Roçado, Monte Alegre de Sergipe

No último dia 20 a Secretaria de Cultura do município de Monte Alegre de Sergipe, em parceria com escolas da cidade, realizou um evento para comemorar o dia da consciência negra. Na ocasião, foi feita uma visita a um lugar chamado 'Pedra do Negro', onde viveu refugiado  um negro escravo, até o dia de sua morte. O lugar fica no  meio da caatinga e ao largo passa um riacho, do qual o homem tirava água para beber e tomar banho. Diz a história que ele passava o dia na gruta e só à noite saia para procurar o que comer e beber.
Tal proeza revela a força do homem africano, que comparado ao homem do sertão, resistiu à seca, à fome, à miséria, à solidão, tendo como companhia apenas a caatiga e os animais viventes nela.
Há que se pensar nas ações do passado e repensar as ações do presente, para que não vivamos na premência de resoluções que talvez não cheguem.
Veja a seguir as fotos  do lugar e das apresentações culturais no povoado. Ao voltarmos da caminhada aconteceram palestras e apresentações de danças com alunos do Colégio Estadual 28 de Janeiro e homenagens ao professor Walfran Lima Souza, um pioneiro no trato às tradições do município, a quem devemos sempre tirar o chapéu. A seguir, as fotos mostram o início da trilha até a Pedra do Negro, a vegetação, o riacho seco, as pedras que parecem animais, objetos, árvores que parecem nos contar histórias do passado, cactos. Mostram o retorno ao povoado Lagoa do Roçado e algumas das apresentações de danças afro e folclóricas, palestras e o retorno para casa, no qual, novamente, as árvores no falam sem cessar.







Pedra do Negro





Pedra do Negro

Pedra do Negro

Pedra do Negro













Por dentro do riacho seco

Por dentro do riacho seco

Por dentro do riacho seco

Por dentro do riacho seco

Por dentro do riacho

































Um dia memorável para aquela comunidade tão importante na história desse município.

Comentários

AVA disse…
Realmente Betânia foi um dia memorável para aquela comunidade e para nós que participamos do evento. Tito, também, o chapéu para o professor Walfran pela sua luga incansável no resgate e manutenção da cultura do povo de Monte Alegre. É preciso que pessoas conscientes e que se dizem gostar do município apreciem e contribuam com a conservação e manutenção da cultura desse povo. Observamos o riacho seco agora iremos retornar no período do inverno para registrarmos imagens dele com vida.
Parabéns, a vossa pessoa pela contribuiçao a educação e preservação da cultura dos habitantes deste lugar.
Anônimo disse…
Betânia parabéns, pelo texto informativo, e pelas foto que nos revela o quão Bonito é esse lugar.
Marcos
Ases poéticos disse…
Obrigada, amigos, pelo apreço às minhas informações. Vossas visitas engrandecem o meu, o nosso trabalho.

Postagens mais visitadas